domingo, 20 de julho de 2014

BUDA E CRISTO EM QUE CONCORDAM E DIVERGEM


As grandes tradições espirituais de nosso planeta sempre ensinaram que o mundo em que vivemos é uma ilusão, é maya como dizem os hinduístas. Com mais razão ainda, poderíamos dizer que as aparentes diferenças que saltam aos olhos entre o budismo e o cristianismo são também uma ilusão. Na verdade, estas duas grandes tradições do oriente e do ocidente têm muito mais em comum do que suas aparentes diferenças sugerem. Quando estudamos mais a fundo estas tradições verificamos que por trás de suas nomenclaturas díspares e enfoques radicalmente opostos existem mais convergências e semelhanças do que contradições. O primeiro passo, porém, em todo estudo comparativo é deixarmos bem claro o que estamos comparando. Assim, que vertentes, ou escolas destas duas tradições estamos comparando? De um lado o Budismo Mahayana - também conhecido como o Grande Veículo. Da mesma forma que Jesus transmitiu vários níveis de ensinamentos para diferentes grupos de pessoas, assim também o fez o senhor Buda.

Estaremos comparando o Budismo Mahayana com o Cristianismo Primitivo ou Gnosticismo, que foi a continuação natural do Ministério de Jesus. O Cristianismo Primitivo recebeu um grande baque, no início do século quatro, com a transformação do cristianismo em religião oficial do Império Romano. A partir de então os objetivos temporais suplantaram os espirituais e o ensinamento original de Jesus foi perdendo sua importância relativa à medida em que a hierarquia clerical dominante foi tomando mais força do que a assembléia dos praticantes, a verdadeira igreja. A nova Igreja passou a enfatizar dogmas, credos e rituais externos, estabelecidos com o propósito de consolidar seus objetivos temporais, criando com isto toda uma série de distorções na doutrina e prática legadas por Jesus. O budismo, por sua vez, também não escapou incólume das influências do clero e de outros fatores externos.

Com as distorções separativistas e materializantes introduzidas ao longo dos séculos na religião budista e mais ainda na cristã, uma comparação entre as versões populares destas duas religiões atuais indicaria mais diferenças do que semelhanças. Lembramos, também que, para a Igreja, o cristianismo não pode ser comparado com o budismo ou qualquer outra religião, porque o cristianismo seria o resultado de uma revelação divina, a única revelação fiel e verdadeira. Portanto, sendo a única religião verdadeira não poderia ser comparada com qualquer outra.

DEUS E O VAZIO
Procuremos ter sempre em mente que estaremos comparando o Cristianismo Primitivo com o Budismo Mahayana. Vejamos os métodos e premissas dessas duas tradições, para que possamos levar adiante essa comparação. O cristianismo é uma religião teísta, ou seja, que se baseia na existência de um Deus. A Deidade é considerada como a criadora de todos os mundos. Por esta razão, o método utilizado no cristianismo, como em todas as religiões teístas, é um método dedutivo. Todas as concepções originam-se necessariamente da Fonte Una e todas as deduções são feitas de cima para baixo, até alcançar o mundo físico e a humanidade.

O budismo, ao contrário, é uma religião não-teísta . Neste ponto poderíamos nos perguntar: mas como o budismo pode ser uma religião se não admite a existência de Deus, já que a palavra religião origina-se do termo latino "religare", que significa ligar o homem de volta à sua Fonte? A questão é complexa e procuraremos aborda-la sob diferentes ângulos nesta apresentação. Podemos adiantar, porém, que o senhor Buda, com sua imensa sabedoria, teve boas razões para estabelecer toda sua doutrina com um enfoque inteiramente diferente das religiões tradicionais. Em vez de iniciar seu sistema com uma concepção filosófica sobre a origem de toda a manifestação, ou seja, Deus, o senhor Buda usou como premissa básica a observação da realidade da vida dos homens, ou seja, a existência do sofrimento. Com base nessa constatação ele estabeleceu seus ensinamentos, indutivamente, de baixo para cima.

Poderíamos nos perguntar também: se essas duas tradições são convergentes, como se explica que o objetivo último das práticas budistas é alcançar o vazio enquanto do cristianismo primitivo e do gnosticismo, era de alcançar a plenitude. Aparentemente são pólos opostos: vazio x plenitude. Vejamos porém, o que está por trás destas palavras. O budismo prega que as práticas meditativas permitem uma progressiva purificação e controle da mente, até o ponto em que o praticante alcançará a realidade última, que é a contemplação ou vivência do vazio. Se nos deixarmos levar pelo sentido literal das palavras, o vazio é a ausência de tudo. Num certo sentido, este é o significado do vazio. Os budistas explicam, porém, que vazio é a ausência de realidade inerente das coisas. Isto significa que nenhum ser ou objeto tem uma existência inerente por si só. Se nada tem existência inerente por si só, a conclusão é que a existência de qualquer ser ou objeto depende do inter-relacionamento de todas as coisas.

Os gnósticos, ou cristãos primitivos diziam, por sua vez, que o objetivo último de toda prática religiosa é alcançar a plenitude. 'Pleroma', ou plenitude é o estado de consciência da totalidade, em que o gnóstico percebe que ele é uno com todos os seres, que faz parte da plenitude do todo. Portanto, a plenitude do todo e o vazio da existência inerente das unidades separadas, nos permite entender que estamos falando da mesma coisa com linguagens diferentes. As duas tradições enfocam a realidade última a partir de pólos opostos. Por trás da terminologia aparentemente contraditória as duas tradições concordam que, em sua essência, o vazio é plenitude.

Uma vez esclarecido o paradoxo, podemos entender porque um grande místico cristão do século passado, Thomas Merton, sugeriu que nenhum homem é uma ilha. Ele valia-se da imagem de que a ilha é um pedaço de terra isolado. Portanto, nenhum homem é isolado em si mesmo. Todo homem faz parte do continente. E qual é a imagem do continente? No continente todos os pedaços de terra se encontram ligados e são interdependentes. Então, no continente existe a totalidade. Explica-se dessa maneira porque vazio e plenitude são, em sua natureza última, a mesma coisa.

CRISTO, KRISHNA E BUDA
Vários estudos comparativos foram feitos sobre as vidas de Gauthama e de Jesus (bem como a de Krishna e de outros grandes seres). Um fato recorrente nestes estudos são os paralelos encontrados nas vidas destes salvadores da humanidade. Quando observamos atentamente esses paralelos, não podemos deixar de concluir que as inúmeras coincidências verificadas não podem ser obra do acaso. Por exemplo, na obra Isis sem Véu de H.P. Blavatsky, é dito que Gautama é filho de um rei e Jesus descende da família real de Davi. Gauthama, é uma encarnação de Vishnu e Jesus, uma encarnação do Espírito Santo. Portanto, os dois são expressões do Divino. Tanto a mãe de Gauthama, Maya, como a de Jesus, Maria, mantiveram-se virgens imaculadas após o nascimento de seu filho. Até mesmo os nomes: Maya e Maria, parecem indicar uma raiz comum que remonta a um passado tão distante que o registro humano não consegue alcançar.

Alguns estudiosos, após investigarem as mais diversas tradições religiosas registradas, verificaram que existem pelo menos dezesseis tradições em que o seu salvador morre crucificado. E nessas dezesseis tradições existem quase todos os paralelos que estamos apresentando aqui. Essa é uma clara indicação de que os paralelos entre as vidas de Jesus, de Gautama e de outros salvadores da humanidade não são coincidências únicas na história. Ao contrário, todas as grandes tradições religiosas oferecem, por meio histórias estilizadas da vida de seu fundador, marcos simbólicos indicativos da Senda espiritual que deve ser trilhada pelos discípulos avançados para que possam tornar-se, eles também, salvadores da humanidade.

Tanto Gautama como Jesus eram dotados do poder de realizar prodígios e efetuar curas milagrosas. A Igreja, mais tarde, durante o período mais negro de sua história na Idade Média, verificando que essas semelhanças não podiam ser negadas, deu mais uma prova de sua miopia e arrogância explicando que as semelhanças eram obra do diabo. O argumento apresentado foi que o diabo, sendo um poderoso arcanjo, tinha visto o que iria acontecer com Jesus mais tarde, e então, para confundir os fiéis, copiou com antecedência todos esses registros históricos de fenômenos excepcionais na vida destes grandes seres.

Explicações diabólicas à parte, o fato, porém, é que existem inúmeros paralelos na vida destes dois grandes seres. Os dois esmagam a cabeça da serpente do fetichismo, mas adotam a serpente como símbolo da sabedoria. A razão para isto é o fato de que em todas as tradições, para que se possa alcançar a realidade última, torna-se necessário o despertar da kundalini. Essa é a força ígnea que se encontra dormente em todos os seres humanos, aparentemente enroscada três vezes e meia, na base da coluna. E é somente com o despertar dessa força telúrica que é possível alcançar a realização última. Daí a sabedoria ser associada com a serpente.

RASGANDO OS VÉUS DOS TEMPLOS
Gautama abole a idolatria e entra em conflito com os brâmanes que detinham o monopólio do ensinamento religioso da tradição hinduísta. Ele divulga os mistérios da unidade e do nirvana, e oferece um método prático e seguro, ao alcance de todas as castas, para se alcançar a libertação. Jesus revela-se contrário à tirania religiosa dos escribas, fariseus e da sinagoga, e revela os mistérios do reino de Deus. As convergências são cada vez mais gritantes. E, finalmente, após a morte, Buda sobe ao Nirvana e Jesus é elevado ao Céu.

Vejamos agora, sob outro prisma, os diferentes níveis de ensinamento. As duas tradições reconhecem três níveis de realização. No nível mais elevado estão aqueles que eram chamados eleitos, ainda que sem um sentido elitista de exclusão. Entre os gnósticos, eles eram conhecidos como pneumáticos, que significa espirituais e, entre os budistas, como árias, ou sejam, os seres sagrados, os seres elevados ou avançados.

O grupo seguinte, os intermediários, eram conhecidos entre os gnósticos como os psíquicos ou religiosos e entre os budistas como os aniatas. E, finalmente, o grupo dos homens comuns, os muitos, na linguagem de Jesus, eram chamados pelos gnósticos, de ílicos ou materiais, e entre os budistas, as pessoas tolas, denominação apropriada, pois aqueles que só estão voltados para os prazeres da vida material imediata, sem nenhum interesse pelo objetivo último da vida, são, certamente, pessoas tolas.

Assim, o ensinamento dos grandes mestres foi estruturado para atender as necessidades desses três grupos de pessoas. Para o povo em geral, para aqueles que estão voltados exclusivamente para a vida neste mundo, a ênfase eram os ensinamentos sobre a ética e a vida diária. Para os homens intermediários, que os gnósticos chamavam de religiosos, eram ensinamentos mais abrangentes sobre a vida e a prática espiritual, sendo esses ensinamentos encontrados nos sutras budistas e nas escrituras cristãs. E é interessante lembrar que esse grupo intermediário, tanto para os budistas como para os cristãos primitivos, eram aqueles que nesta vida, em função de suas decisões, determinações e postura de vida poderiam cair no grupo dos muitos, os materialistas, ou então, elevarem-se e entrar no grupo dos eleitos, daqueles que poderiam vir a ser salvos ou libertos.

E, finalmente, para o grupo dos assim chamados espirituais, os poucos, as duas tradições oferecem ensinamentos sobre o caminho acelerado. O caminho acelerado, com suas naturais exigências de purificação e dedicação, só está aberto a muito poucos. Por exemplo, nos mosteiros budistas, dentre os monges que terminam seu período de formação, cuja extensão depende da escola, são muito poucos aqueles que são convidados a seguir adiante com os estudos e práticas, agora não mais dos sutras, mas dos tantras, no caminho acelerado budista. E, no caso dos gnósticos, as práticas avançadas incluíam os sacramentos. Esses sacramentos originais ministrados por Jesus e mais tarde por seus discípulos eram cinco e não os sete sacramentos atuais da Igreja. Os sacramentos originais eram realmente transformadores, pois eqüivaliam a iniciações.

ÉTICAS CRISTÃ E BUDISTA
Vejamos agora os ensinamentos voltados para o homem comum nas duas tradições. Eles tratavam principalmente de questões relacionadas com a ética. Aqui também vemos grandes convergências, grandes paralelos entre as duas tradições. É interessante notar que a maior parte dos ensinamentos de Jesus sobre a ética, foram coletados na parte do Evangelho que veio a ser chamada de Sermão da Montanha. É possível e até mesmo provável que aqueles ensinamentos tenham sido ministrados em diferentes ocasiões sendo mais tarde apresentados de forma orgânica naquele maravilhoso texto. Um fato curioso é que alguns estudiosos, tendo levado a Bíblia para uma comunidade budista, resolveram testar os mestres dessa comunidade. Leram, então, o Sermão da Montanha, sem dizer a fonte, indicando somente que era o ensinamento de um grande mestre. Os monges budistas, após ouvirem com atenção os três capítulos de Mateus (5, 6 e 7) que compõem a versão mais extensa do Sermão da Montanha, concluíram que o autor era um mestre budista, desconhecido deles, mas certamente um budista. Existe, portanto, uma total afinidade dos budistas para com a ética como foi apresentada no Sermão da Montanha. Entre os budistas, os ensinamentos sobre ética encontram-se em diferentes escrituras, mas talvez no Dhamapada encontra-se a coletânea mais sintética desses ensinamentos.

A questão da ética, sendo básica para todas as religiões, é uma das que oferece um dos maiores escopos para explorarmos os paralelos entre as duas tradições. Só este tema seria suficiente para um artigo ou mesmo um livro, sem contudo esgotar o assunto. Existem quatro passagens do Sermão da Montanha que tratam de homicídio, adultério, falso testemunho e retribuição. Essas passagens correspondem aos preceitos do Buda de não matar, não se apropriar do que não lhe pertença, não ter relações sexuais indevidas, não dizer mentiras e não usar álcool ou drogas.

Como parte de seus ensinamentos sobre a ética, tanto Buda como Jesus, alertaram para o fato de que viriam outros mensageiros com falsos ensinamentos. Por isso, Jesus disse: "Guardai-vos dos falsos profetas que vêm a vós vestidos como ovelhas, mas que por dentro são lobos vorazes." Existem, portanto, aqueles, na tradição cristã que se dizem mestres, instrutores ou gurus. Mas, quando examinamos com atenção suas ações, vemos que são pessoas egoístas, voltadas para si, fazendo um grande esforço para arrebanhar um grupo de seguidores que venha bancar suas pretensões. Esses são os falsos profetas.

Buda também fez uma alusão, não aos falsos profetas mas aos falsos ascetas. Aqueles que se entregam a práticas ascéticas para purificação, mas que, na verdade, estão movidos pelo orgulho de se apresentar como mais desprendido e mais santo que os outros. Esses dizem em seu íntimo: "não só sou um renunciante mas sou mais renunciante que os outros." Obviamente esta é uma atitude de orgulho que não reflete o verdadeiro sentido da espiritualidade. E Buda, com sua linguagem incisiva diz: "Por que esse cabelo trançado?" Porque eles trançavam de tal maneira a causar dor ao couro cabeludo. Por que essa roupa de pele de animal?" Com isso o Senhor Buda procurava nos alertar que não é preciso sinais exteriores de ascetismo porque todo o ascetismo é voltado para a purificação. E a purificação que conta não é a purificação do corpo. É a purificação da mente.

Os ensinamentos sobre a ética são dirigidos a todas as pessoas. Ambas tradições dão muita atenção ao amor e à compaixão, ensinando que a compaixão é a pedra fundamental para a vida superior. Apesar desses ensinamentos serem mencionados nos textos básicos das duas tradições, sabemos que a verdadeira compaixão é um ideal elevado que normalmente só é alcançado por discípulos mais avançados. São realmente esses discípulos, aqueles que se voltaram inteiramente para a vida espiritual, que têm sua vida e conduta caracterizadas pelo amor puro. Num patamar ainda mais elevado estão os grandes Mestres, como Gautama e Jesus. Ambos foram impelidos a estabelecer seus ministérios redentores pela Divina Compaixão. Renunciaram a tudo e devotaram sua vida totalmente a ajudar a combalida família humana.

Vale lembrar que agiram com divina sabedoria para alcançar os objetivos da divina compaixão. Estando em perfeita sintonia com o Plano Divino procuraram ensinar os homens a tornarem-se responsáveis por si mesmos. Como o fundamento da vida humana é o livre arbítrio, a salvação não pode ser forçada aos homens. Ela só pode ser indicada. Cada ser humano terá que trilhar cada passo, de livre e espontânea vontade, a longa Senda que leva à libertação. A grande contribuição de nossos salvadores foi a revelação do Caminho, por meio de ensinamentos e de seu exemplo. Portanto, a missão dos grandes Mestres, os Salvadores da humanidade, é colocar à nossa disposição os instrumentos para nossa libertação, na forma de ensinamentos capazes de promover nossa progressiva transformação interior. Com o tempo, essa transformação, equivalente à purificação de nossos veículos inferiores, cria as condições necessárias para alcançarmos finalmente a iluminação, ou seja, o portal para a libertação ou salvação.

AMOR E COMPAIXÃO
Vale a pena lembrar que, para os budistas da tradição mahayana, o voto de bodhichitta constitui o ponto de partida de sua tradição. Esse voto nem sempre é bem entendido pelos não-budistas. Fundamenta-se na compaixão, ou seja, na profunda convicção de que todos os membros da família humana são prisioneiros da roda dos renascimentos, o samsara. Conscientes de que ao longo de nossas inumeráveis existências, os seres que conosco compartilham do samsara poderiam ter sido nossas mães, pais, irmãos, filhos ou amigos próximos que nos cumularam de atenção e cuidados amorosos, e sabendo que nossa capacidade para ajudar os outros é função direta de nossa realização espiritual, decidem fazer o voto de bodhichitta, que é o compromisso de buscar incessantemente a iluminação para o benefício de todos os seres.

Encontramos também na Bíblia indicações de que Jesus era movido pela mesma motivação compassiva. Talvez esta motivação esteja refletida mais claramente na passagem ao final de seu ministério ao retornar dos mortos para terminar a preparação de seus discípulos. Nos últimos momentos de sua vida na Terra, antes de ascender ao Céu, Jesus demonstrou a mesma atitude de compaixão dos lamas budistas avançados, numa expressão equivalente ao voto de bodhichitta dizendo, "Eis que estarei convosco todos os dias até a consumação dos séculos!" Com isto Jesus estava prometendo que, apesar de ter sido alçado a um plano diametralmente oposto das vibrações pesadas da Terra, não iria se afastar da família humana com todas suas misérias e sofrimentos, até que todos tivessem sido salvos, que é o significado da expressão "até a consumação dos séculos, ou até o fim dos tempos", como é apresentada em outras versões da Bíblia.

Vejamos agora paralelos entre gnosis e sabedoria. As duas tradições insistem que a salvação só ocorre através da gnosis, como era chamada entre os gnósticos, ou da sabedoria, jnana como é referida pelos budistas. O primeiro passo nessa comparação deve ser o entendimento dos conceitos expressos nas duas tradições. Gnosis é uma palavra grega que significa conhecimento. Isto não significa que decorando uma enciclopédia, ou mesmo todos os livros de uma biblioteca, estaríamos adquirindo o "conhecimento" libertador. A gnosis tão desejada pelos cristãos primitivos era um conhecimento interior. Não um conhecimento intelectivo dependente da mente concreta e da memória, mas sim de condições muito especiais, tais como a meditação profunda ou mesmo certos rituais que propiciavam a expansão de consciência e a apreensão direta da verdade. Em suma, a gnosis poderia ser considerada como uma revelação interior. Quando Jesus dizia: "Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará" Ele estava certamente referindo-se à gnosis.

A VERDADE E A LIBERTAÇÃO
Mas que verdade ou conhecimento é este? Os místicos e sábios de todas as tradições são unânimes em afirmar que a verdade salvadora é o conhecimento interior, ou melhor dito, a vivência interior, de que o homem e Deus são um e o mesmo Ser. A unidade da vida, uma vez experimentada no interior da alma e fixada na consciência do homem, produz uma transformação radical no ser humano. A partir de então ele "sabe" por experiência própria que é imortal e, percebendo a si mesmo como um aspecto inalienável da grandeza infinita de Deus sabe, conseqüentemente, que está salvo.

A essência dos argumentos acima são válidos também para os budistas. O papel central da sabedoria nos ensinamentos de Buda está particularmente explicitado nas paramitas, ou virtudes. Das seis virtudes a última é Jnâna, traduzida normalmente como sabedoria, mas que também significa gnosis, o conhecimento interior. A sabedoria, de acordo com os budista, não é erudição. Não significa conhecer todas as escrituras budistas e poder declamá-las de cor. Sabemos que na época do senhor Buda eram poucos os que sabiam ler e escrever. E eram pouquíssimos os documentos existentes com as escrituras. Então os discípulos, muitas vezes referidos como ouvintes, aprendiam os ensinamentos ouvindo e guardando-os na memória. Este processo de aprendizado era facilitado pelo fato de não terem a mente atulhada de lixo, como temos em nossa civilização atual, bombardeada com todo tipo de informação da televisão, jornais, revistas e agora da internet. Os discípulos de então ouviam os ensinamentos e os gravavam na mente. Eles carregavam sua biblioteca na cabeça.

Apesar dos budistas prezarem o conhecimento de suas escrituras, deixam claro que esta erudição não é sabedoria, mas sim um instrumento facilitador para alcança-la. A sabedoria, a última das virtudes é a percepção do vazio de todas as coisas, a natureza essencial da mente, o substrato de toda a manifestação. Porém, como vimos anteriormente, o vazio ou ausência da natureza inerente equivale à unidade de todas as coisas. Portanto, a sabedoria para os budistas é o mesmo que gnosis para os cristãos primitivos.

Outro ponto de convergência das duas tradições é a importância da "Lei". O Dharma, ou lei é a fundamentação do budismo. Eles são conhecidos como os praticantes da lei. Mas o que é a lei para os budistas? E o que é esta grande Lei? É a Lei Divina. É a Lei que rege toda a manifestação. Em virtude do princípio hermético das correspondências (aquilo que está em cima é como aquilo que está embaixo, o que está dentro é semelhante ao que está fora, o pequeno é semelhante ao grande), a grande Lei Universal está refletida na lei que é transmitida aos seres humanos em suas escrituras sagradas, na tradição judaico-cristã a Torá e na tradição budista o Dharma.

A LEI E A PURIFICAÇÃO
Encontramos na tradição cristã primitiva a passagem em Excertos de Teódoto: "Somente o batismo não liberta mas sim, a gnosis, o conhecimento interior de quem somos, o que nos tornamos, onde estamos, para onde vamos. O que é nascimento, o que é renascimento". Outra passagem bastante conhecida, desta vez da Bíblia, reflete também a tradição gnóstica: "Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará". Conhecimento ou gnosis, portanto, é o portal da liberdade.

É dito no budismo que para se alcançar a sabedoria, a jnâna, torna-se necessário a purificação da mente de seus fatores mentais obscurecedores. Os budistas ensinam que para se alcançar a sabedoria ou o vazio, que é a pura percepção da clara luz da mente, temos que retirar primeiramente tudo aquilo que obscurece a mente. O entulho mental é em grande parte conseqüência de nossos condicionamentos na vida terrena, chamados pelos budistas de skhandas. Existe na literatura budista um grande número de referências sobre a purificação da mente. Estes ensinamentos foram, mas tarde codificados e aprofundados pelo grande mestre budista Asangha*, que viveu no século IV de nossa era. A questão do conhecimento e da purificação da mente é tão importante para os budistas que eles desenvolveram uma linha de estudos que chamam de lojong* para tratar exclusivamente do treinamento da mente.

Na literatura cristã, ainda que sua natureza seja inteiramente diferente da budista, algumas referências são feitas ao treinamento da mente, principalmente nas epístolas de Paulo. Porém, a verdadeira importância da purificação da mente para o cristianismo primitivo ficou mascarada pela tradução errônea do termo grego "metanoia" no original grego da Bíblia como "arrependimento". Por exemplo, numa das primeiras passagens dos evangelhos, João Batista é apresentado pregando: "Arrependei-vos, é chegado o tempo". Porém, no original em grego, a expressão era derivada de metanóia que tem um significado muito mais amplo do que arrependimento. Significa: modificar os conteúdos mentais para que se possa perceber a verdade; proceder a uma transformação da mente, uma transformação interior. Esse é o verdadeiro sentido de metanóia que foi traduzido na Bíblia como arrependimento.

Como conseqüência dessa distorção bíblica, o cristão ortodoxo tradicional desenvolveu uma atitude de passividade face à vida espiritual, eu preciso me arrepender de meus pecados. Mais tarde os teólogos reforçaram esta atitude com a instituição do sacramento da penitência, melhor conhecido como confissão, que previa o perdão dos pecados para aqueles que os confessassem aos prelados da Igreja. É bem verdade que nem todas as correntes do cristianismo aceitaram a instituição da confissão. Mas a corrente dominante venceu e com isto, na opinião de alguns observadores, criou-se um incentivo à hipocrisia, pois o fiel sabia que depois de pecar bastava correr para a Igreja, confessar-se e assim ter assegurada a sua 'pureza'. Podemos estar certos que este não era o objetivo de nosso sábio e compassivo Mestre. O que Jesus pregava, e que constituía o cerne dos ensinamentos do cristianismo primitivo, é a modificação interior. É somente quando nós nos transformamos interiormente que podemos alcançar aquele estado de plenitude que é o estado da salvação. Felizmente, foi preservada na Bíblia uma frase lapidar do grande apóstolo Paulo, que parece uma citação de um tratado budista: "E não vos conformeis com esse mundo, mas transformai-vos renovando a vossa mente". Renovar a mente. É isto que Paulo e Jesus nos ensinaram.

VIDA E MORTE
Outro ponto de aparente desencontro, mas de convergência em sua essência, é a questão da vida e da morte nas duas tradições. É necessário viver ou morrer para alcançar a meta, o céu ou nirvana? Para os cristãos ortodoxos de diferentes denominações, o conceito dominante é que só podemos alcançar o céu depois da morte. Por isso muitos padres e pastores gostam de contar uma historia que em suas linhas gerais seria: um ministro de Deus estava pregando na igreja, ou no templo, e aí voltou-se para sua congregação:
- nós todos amamos Jesus, não amamos?
- Amamos! Responderam em uníssono.
- Então, quem quer ir para o céu?
- Eu! Eu! Todos levantaram a mão.
- E quem é que quer ir para o céu, agora?
- Constrangimento total. 

Só duas velhinha muito doentes levantaram a mão timidamente. Por que essa incongruência entre ideal e prática? A razão dos fieis preferirem sempre postergar para o último momento a suposta ida ao céu deve-se à imagem errônea de que o céu é um lugar que só está ao alcance dos mortos. Obviamente esta é uma concepção totalmente errônea porque o céu não é um lugar. O céu é um estado de consciência. É o estado de consciência da unidade com a fonte da vida e com todas as outras expressões desta vida. Este estado de consciência já foi atingido por milhares de místicos e iogues de diferentes tradições ao longo dos séculos. Apesar de existirem diferentes níveis para este estado de transcendência, todos eles podem ser alcançados durante a vida terrena. Os gnósticos e os cristãos primitivos, conhecendo os 'mistérios do reino', estavam cientes de que a "salvação" era alcançada neste mundo, sendo nossas conquistas obtidas enquanto no corpo físico estendidas para os estados fora do corpo.

Os budistas, porém, sempre souberam que viver num corpo físico é indispensável para se alcançar a iluminação. O corpo deve ser considerado como um veículo a ser usado para nossa jornada rumo ao Nirvana e, portanto, deve ser devidamente cuidado. Para isto o Buda recomendou a ascese, ou seja, práticas espirituais visando a purificação. Só que, não com aquele extremo rigor de virtual tortura do corpo que os antigos ascetas da tradição hindu faziam. Chegavam até enfiar pregos na mão e em outras partes do corpo, dormir como os faquires em camas de pregos e outras práticas chocantes para nossa cultura ocidental. O Buda disse que nada disso é necessário, sendo mesmo contraproducente. Devemos cuidar do corpo com esmero e atenção mas sem ir para o outro extremo. Daí Buda falar no caminho do meio. Nem a licenciosidade de uma vida de prazeres mundanos, nem tampouco um ascetismo exacerbado que prejudica o corpo. Devemos tratar o corpo como se ele fosse nosso animal de serviço. Devemos alimentá-lo bem mas não a ponto dele ficar muito gordo e não poder trabalhar direito. Por outro lado não podemos deixar de alimenta-lo o suficiente a ponto de emagrecer e não ter mais força para trabalhar. Então a alimentação e todo o cuidado do corpo deve ser efetuado com o objetivo de prestar serviço para o verdadeiro senhor do corpo que é a alma, ou o continuum mental na concepção budista.

Parte da atitude de medo e rejeição da morte entre os cristãos deve-se ao mal entendimento de algumas passagens da Bíblia, como por exemplo: "Quem ama a sua vida a perde. E quem odeia a sua vida nesse mundo, guarda-la-á para a vida eterna". "Se o grão de trigo que cai na terra não morrer, permanecerá só. Mas se morrer produzirá muito fruto". Numa primeira leitura, uma leitura literal que não nos leva muito longe no entendimento da mensagem bíblica, poderíamos pensar, "não gosto disto; está dizendo que temos que morrer, temos que cair na terra e morrer para dar fruto". Mas esta não é em absoluto a mensagem que o Salvador nos legou. A renúncia é que está sendo expressa através dessas passagens. Devemos renunciar ao mundo e não continuar a viver como se este mundo e seu prazeres fossem o objetivo último de nossa vida.

JESUS, BUDA E OS DOGMAS
Outra área de semelhanças entre as duas tradições é a organização e atuação das Ordens Monásticas. Os monges budistas e os discípulos de Jesus foram instruídos para atuar como pregadores itinerantes, mendicantes, vivendo para servir os outros, aceitando o que lhes era oferecido. Jesus inclusive disse para os seus discípulos que eles deveriam visitar todos os lugares para pregar o evangelho. Lembremos que 'evangelho' significa "Boa Nova". Assim, deviam pregar a Boa Nova sem levar dinheiro, roupas e provisões. A razão para isto é que eles deviam se integrar nas comunidades onde fossem pregar e aceitar o óbulo ou hospitalidade que lhes fosse oferecido. Com o passar dos séculos o rigor destas regras foi sendo diminuído. Atualmente, a Ordem dos Franciscanos e dos Trapistas, são as que mais se aproximam das ordens budistas. É curioso observar que nas ordens budistas e nas cristãs os monges devem fazer três votos: de pobreza, castidade e obediência. Só que entre os cristãos, o voto de obediência era para com o chefe da Ordem. Entre os budistas, no entanto, o voto é sempre voltado para o Dharma, isto é, obediência aos ensinamentos do Mestre. Os monges budistas, como seus irmãos cristãos, comprometem-se a divulgar a doutrina libertadora. Porém, eles são extremamente respeitosos para com as pessoas. Ao contrário de seus irmãos cristãos, não tentam converter os outros contra sua vontade. Na verdade, é uma prática budista que quando um monge chega num determinado lugar, ele só fará uma pregação sobre um determinado assunto se for solicitado.

O papel da teologia é outra área de paralelos. Tanto Buda quanto Jesus não estavam preocupados com teologia e dogmas, ao contrário do que parece ser a preocupação daqueles que se dizem herdeiros dessas duas tradições. Mas a preocupação central destes dois grandes seres era com a realidade da vida humana e a libertação do sofrimento. Ambos pregavam que o ser humano deve se dedicar ao supremo bem, sempre imutável e confiável. Jesus chamava esse Bem Supremo de Deus-Pai. E Buda chamava esse bem supremo de Dharma. Vimos anteriormente que o budismo é uma religião não-teísta, mas que os ensinamentos do senhor Buda, o Dharma - que significa Lei - é um reflexo da Lei Maior. Essa Lei Maior, a Lei que rege o universo e toda a manifestação, é uma expressão de Deus. Se meditarmos com atenção, vamos concluir que Deus sendo absolutamente transcendente, uma das poucas maneiras que podemos tentar conhecer a Deus, é conhecer as Leis que regem o nosso universo. Ainda que sem fazer referências a Deus, os mestres budistas procuram fazer exatamente isso.

Agora, uma diferença. Os autores gnósticos usavam mitos cosmogônicos e cosmológicos como instrumentos para suas instruções. A cosmologia tem como objetivo apresentar o processo da criação desde o nível mais sutil, Deus transcendente, até o mais denso, o nosso mundo material, passando por todos os estágios intermediários. A razão para o uso deste método é a instrução sobre a lei dos ciclos, que rege tanto o macrocosmo (o universo) como o microcosmo (o homem). O processo de surgimento, ou emanação, oferece para o buscador da verdade as indicações do caminho de retorno à Fonte, que é o objetivo último de todos os seres. No entanto, como o budismo é uma religião não-teísta, eles não podiam servir-se de cosmogonias como os cristãos.

A NATUREZA LUMINOSA
A natureza do homem é outro paralelo. Tanto os budistas como os cristãos verdadeiros dizem que somos todos Budas, somos todos Cristo. Só que ainda não nos tornamos conscientes de nossa realidade última e, por isso, ainda não alcançamos o estágio da perfeição, a estatura da plenitude do Cristo em nós. Ainda somos Budas, ou Cristos, em estado de semente. Cristo, ou Buda, encontra-se em nosso interior em forma latente. Todo o ensinamento dos Mestres é voltado para fazer com que Buda, ou Cristo, em nosso interior, possa manifestar-se em toda sua plenitude. Por isto o apóstolo Paulo disse: "Não sabeis que sois um templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?" (1 Co 3:16), e nos urgia a desabrocharmos nossa natureza interior: "Cristo em vós, esperança de glória." (Cl 1:27).

A natureza de Buda se encontra na mente de cada um. É a pura luz de Rigpa, a natureza essencial da mente. O conhecimento de nossas inúmeras fraquezas dificulta a aceitação da premissa básica de nossa natureza divina. No entanto, podemos valer-nos da imagem do lótus que tem suas raízes no lodo, portanto, na matéria, tem seu caule estendendo-se através da água, portanto, do mundo das emoções, de vibrações geralmente pesadas, mas que abre a sua flor ao sol, no mundo superior do ar, da mente, onde exala o seu perfume. O lótus também tem outra característica muito pertinente para o ser humano. Em cada semente de lótus encontra-se uma miniatura da planta adulta. Nossa vida assemelha-se ao lótus, assentada no lodo da materialidade mas almejando alcançar o alto. Como o lótus, temos também dentro de nós a semente das características divinas que vamos manifestar quando desabrocharmos e alcançarmos nossa plenitude. Na tradição cristã a imagem da semente é utilizada na parábola do grão de mostarda, a menor de todas as semente, que quando cresce torna-se a maior de todas hortaliças dando sombra e abrigo às aves do céu.

Outras semelhanças importantes são as imagens da porta e do caminho. Ambos, Cristo e Buda são descritos como a porta e o caminho. Buda mostra o caminho para a libertação. A tradição budista, porém, afirma que existem oitenta e quatro mil portas. Essas seriam as portas do dharma, constituindo o corpo Dharmakaya. Jesus, por sua vez disse , "Eu Sou a Porta das ovelhas", "Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vem ao Pai senão por Mim". Essas passagens devem ser estudadas com atenção porque tendemos a entendê-las de forma literal. Ao dizer, "Eu Sou", Jesus não estava sendo personalista como sendo o Caminho, a Verdade e a Vida. Conhecedor da tradição cabalista, utilizava a expressão "Eu Sou" para referir-se a Deus. Os judeus, dentre os muitos nomes de Deus, usavam "Eu Sou" como um termo apropriado para transmitir uma idéia da Deidade Suprema. Ao contrário dos homens que vivem no mundo da dualidade e precisam qualificar-se de forma diferenciada dizendo, "eu sou alto, magro, cristão, jovem, advogado, etc", Deus é simplesmente referido como "Eu Sou", porque não pode ser qualificado já que expressa a "Seidade" e abrange a totalidade do que foi, é e será.

Reencarnação e carma são também pontos comuns. Apesar da tradição ortodoxa cristã não indicar que a reencarnação faz parte dos ensinamentos de Jesus, podemos identificar várias passagens da Bíblia que se referem à reencarnação. Infelizmente a Bíblia foi muito retocada ao longo dos séculos e muitas passagens foram adulteradas ou simplesmente retiradas quando batiam de frente com os dogmas estabelecidos pela Igreja. Porém, as referências eram tantas que ainda sobraram algumas, dentre as quais a que Jesus diz claramente que João Batista é Elias que havia retornado à Terra. Outras passagens são mais veladas, como a do cego de nascença; perguntam a Jesus quem havia pecado, o cego ou seus pais e o Mestre respondeu que nem o homem (naquela encarnação) nem seus pais, mas que aquilo havia ocorrido para que se cumprisse a lei (a lei de causa e efeito que opera mesmo após uma ou várias encarnações).

BUDISMO NA JUDÉIA?
Como explicar tanta semelhança entre as duas tradições? Existem várias teorias para isso. Uma é que Jesus teria vivido na Índia dos doze aos trinta anos, onde teria recebido instruções budistas. Pessoalmente não creio que Jesus tenha vivido na Índia. Quem teria vivido na Índia no século I dC. foi Apolônio de Tiana e as estreitas semelhanças entre estes dois personagens históricos têm induzido muitos estudiosos a erro. Por isto muitos acreditam que Jesus viveu na Índia e, tendo recebido ensinamentos budistas, esta seria a explicação para os paralelos entre as duas tradições. Outra teoria é que Jesus teria sido um discípulo do Buda. Na verdade, essa teoria postula que quase todos os seres avançados do mundo teriam sido discípulos do Buda. E Jesus, sendo um Arhat, um ser de grande realização espiritual, podia recuperar os ensinamentos recebidos cinco séculos antes, quando foi discípulo do Buda. Por isso, seus ensinamentos refletem também os ensinamentos de seu mestre, o Buda. Essa é outra teoria.

Uma terceira é que os monges budistas enviados pelo rei Ashoka a várias comunidades do Oriente Médio, tiveram contato com as comunidades essênias para as quais transmitiram o dharma. Mais tarde, Jesus e seus discípulos teriam aprendido a essência dos ensinamentos budistas na comunidade essênia de Qumram. Vários indícios históricos me levam a crer que esse processo realmente ocorreu. Algumas fontes esotéricas indicam que um monge budista avançado teria sido enviado à Palestina nos tempos de Jesus, com a missão específica de contatar a comunidade de Qumram. Esse monge teria levado vários textos budistas para a Palestina, da forma usual naqueles tempos, ou seja, de memória. Esse monge tornou-se um discípulo de Jesus sendo conhecido pelo nome de Tomé. É por essa razão que a tradição cristã indica que um dos discípulos de Jesus, depois da morte do Mestre, foi para a Índia onde converteu muitas pessoas e estabeleceu no sul da Índia, em Madras, uma comunidade do cristianismo primitivo. Cerca de dezesseis séculos mais tarde, quando os missionários católicos e protestantes chegaram à Índia, encontraram essa comunidade cristã firmemente constituída. Temos, então, várias teorias para explicar os paralelos identificados entre as duas tradições.

Estamos certos, porém, que alguns estudiosos vão descartar todas estas teorias argumentando que, mais que teorias elas são fantasias, pois não existem provas concretas para fundamentar nenhuma delas. Mesmo neste caso poderíamos sugerir ainda outra maneira para explicar os paralelos entre as tradições budista e cristã. O argumento seria de que as semelhanças são naturais porque todas as tradições originam-se de uma única fonte. Essa é a religião-sabedoria propalada pela teosofia. O moto da Sociedade Teosófica: "Não há religião superior a verdade," reflete esta realidade milenar, pois a verdade subjaz a tudo o que é ensinado pelos grandes seres, os instrutores da humanidade. E essa verdade só pode ser uma só. Ela é apresentada com diferentes roupagens para diferentes culturas ao longo do tempo. Porém, à medida que mergulhamos na essência do ensinamento de cada religião, deixando de lado as idiossincrasias separatistas enganosas, percebemos a beleza do ensinamento que une toda a família humana. Assim, não deve ser nenhuma surpresa para nós, verificarmos que existem muito mais convergências entre budismo e cristianismo do que pontos de divergências.

Para encerrar esta apresentação sintética e parcial dos paralelos entre as tradições budista e cristã, gostaria de chamar a atenção para outra convergência que está mascarada por uma aparente divergência gritante entre budismo e cristianismo. Trata-se da aparente oposição entre prática ativa e fé passiva. Para os budistas, a prática dos ensinamentos é tão fundamental que eles gostam de chamar a si mesmos de praticantes, mais especificamente, de praticantes do dharma. Os cristãos, por sua vez, orgulham-se de ser conhecidos como crentes ou fiéis. Sua característica religiosa fundamental seria a crença em Jesus, ou mais especificamente, no dogma de que Jesus é o Filho unigênito de Deus Pai, que veio ao mundo para morrer na cruz para remir os pecados do mundo. Se observarmos a realidade da vida do cristão comum, chegamos à conclusão de que o cristianismo não dá muita importância às práticas espirituais. A transformação interior, baseada nos ensinamentos e no exemplo de vida de Jesus, não constitui o objeto central da religiosidade cristã, mas sim a atitude de crença nos dogmas e participação nos rituais externos da Igreja, como a ida a missa ou ao templo.

Reiteramos, no entanto, que nossa comparação é com o cristianismo primitivo e não com o cristianismo posterior ao Concílio de Nicéia, no início do quarto século. A atitude das primeiras comunidades cristãs, mais tarde conhecidas como gnósticos, era inteiramente diferente no que diz respeito às práticas espirituais. Vale lembrar que nas primeiras décadas após a morte do Salvador, os discípulos do Mestre eram conhecidos como "seguidores de Jesus" porque procuravam emular o exemplo de vida de Jesus. Portanto, a prática espiritual estava no centro da vida daquelas comunidades, conhecidas pelo termo grego original de eklesia, ou seja, a assembléia dos praticantes. Isto pode ser confirmado por uma passagem que escapou da tesoura dos censores posteriores, numa epístola de Tiago: "Tornai-vos praticantes da Palavra", ou seja, dos ensinamentos de Jesus, "e não simples ouvintes, enganando-vos a vós mesmos." Se tivermos a atitude passiva de ouvir a pregação do padre ou pastor no fim de semana sem colocamos em prática em nossa vida diária os ensinamentos nela contidos, não iremos muito longe na vida espiritual.

Uma análise mais aprofundada da Bíblia revela outras passagens em que Jesus ensinava a importância da prática espiritual. Por exemplo: "Pedi e vos será dado. Buscai e achareis. Batei à porta e ela vos será aberta". Alguns "fieis e crentes" julgam que esta passagem é uma licença do Mestre para pedirmos, no atacado e no varejo, todas as benesses que queremos que Deus nos dê de graça. As comunidades monásticas, para não dizer os místicos e santos, sempre souberam a verdade, ou seja, que a prática espiritual é a essência da verdadeira religiosidade cristã. Ora, como Deus é Espírito temos que pedir, buscar e bater à porta de uma forma espiritual. Como é que nos comunicamos com Deus? Como mostramos nosso amor a Deus? Como nos sintonizamos com Deus? A resposta óbvia é: cumprindo a vontade de Deus, ou seja, agindo como Deus nos ensina através dos seus grandes mensageiros, como Jesus e o senhor Buda. E o objetivo dos ensinamentos de todo grande Mestre é sempre a mudança de vida do ser humano, da vida mundana para a vida responsável voltada para o Alto em busca da perfeição, que é a estatura da plenitude de Cristo. 

Raul Branco

Nenhum comentário:

Postar um comentário